A palavra é um desabitar
ao mesmo tempo

que possui em seu cerne
uma sentença de habitante

de coisa que encomprida
o contato

que sofre o centímetro
e se alegra na medida

em que todas as medidas
se incompreendem:

erra os cálculos das horas

até que seu dizer não diga
coisa alguma, assim

dizendo de dentro, o todo.

[…]

Ao plantar uma flor, ocupo
um espaço

Ao escrever produzo um
lugar de distância

que induz ao abismo
da intimidade.